sexta-feira, julho 31, 2015

Párias famélicos do cimento e do vidro, sombras na fumaça .Arrastam as correntes das lembranças dos verdes anos da infância até caírem nas sarjetas a beber das poças, o lodo de seus pesadelos. A felicidade de outrora ,esmagando as costas curvadas pelo peso das noites sem estrelas no martelar de seu eterno vir a ser no limbo de cada despertar .
Um passo a mais e menos uma madrugada invernal.Outra história banal a ocupar poucas linhas no jornal , seu feito. Ser atropelado é mercadoria de informação se o desvivente tem endereço social.

O jornalista chegou a redação  e sua matéria não pode sair .

Wilson Roberto Nogueira

Nenhum comentário:

Loading...