sábado, julho 25, 2015

Um dia no ponto final de um burocrata.

Ofendidos, tratados , não como homens  mas como escravos a suportar a sorte amarga do silêncio da voragem da miséria espezinhada sua dignidade pela sanha  da injustiça  do despotismo  de uma classe dirigente  incompetente e insensível as profundas angústias de seu povo.

A implosão das vísceras da  massa imensa de humilhados e ofendidos desacorrentados pelo assassinato de suas  esperanças reagem como bestas feras contra o chicote dos tiranos . O sangue do opressor mistura-se a terra sedenta daquela nação de escravos que vagam cegos pela luz da liberdade para fora da caverna da tirania.tropeçam nas pedras mas persistem .

Fora da caverna da exploração o paraíso da igualdade onde pelo trabalho de homens e mulheres livres a colheita da prosperidade  no útero da Utopia a esperança de nascer carne e sangue uma nova humanidade.
Séculos de látego abrindo como heranças canais de sofrimento agora  alforrias onde a liberdade , a igualdade e a fraternidade celebram nas fábricas e nos campos o hino solar da nova Humanidade.

Templos ao trabalho foram erguidos e  generosas colheitas cevaram a fome de novos sonhos até ceifarem os sonhos para plantar cadáveres parindo de discursos  a terra .Os discursos ocos  espalham baratas  ,só burocratas e seus números de  canetas cegas cortando meias verdades produzindo meias vidas e novas correntes de aço e propaganda.

Discurso de um burocrata que procurava se suicidar com vodka seus sonhos armados de pesadelos.

Wilson Roberto Nogueira

Nenhum comentário:

Loading...