domingo, setembro 06, 2015

Sob o lençol de jornais embriagados sonhos repousam na cama de papelão.
Entre assassinatos, estupros , e corrupção dorme o súdito da escravidão
Correntes pesadas como o ar que não consegue tragar
quando corre trôpego em seus sonhos de liberdade
ao morrer   a cada céu sem estrelas como essa noite
noite  que só não corta com lâminas de gelo porque os papeis
das lágrimas das almas dos anjos sem paradeiros Tornaram-se um cobertor pesado
a amarelada e  suja mercadoria .

Wilson Roberto Nogueira

Nenhum comentário:

Loading...