quarta-feira, março 11, 2009

O suspiro da tualma
marejou lençóis.

nós
nos enredamos
sós
sóis
exangues acordamos
nos damos
as mãos como irmãos
nossa liquida essência
é o vinho divino do incesto
tropegos andarilhos do inferno.
vazando venalidade
bebados irrigamos os caminhos
de pecado
eu e minha irmã
a luxuria.
Wilson Roberto Nogueira

Um comentário:

Anônimo disse...

Vade retro !

Loading...