domingo, outubro 31, 2010

Noventa novenas para a névoa em forma de sombra


sobras de uma vida que dançava na tempestade

sonhando ser água pura fervendo no asfalto

marcas do silêncio no caminhar maldito da memória.

reza a estória que o fantasma sem nome alimentava-se

da fome, da guerra e da peste.Faminto de fome não passou;

da guerra bebeu todo o sangue; a peste sua assinatura nas crianças que não nasceram.



O espectro do esqueleto imortal perseguia a bruxa, a macróbia camponesa pelos campos radioativos e rios, que suplicavam água para viver.Voraz silêncio depois da chuva de metal semeando campas em aldeias- lápides

só o fogo iluminando a lua ausente ao entardecer.



Wilson Roberto Nogueira

Nenhum comentário:

Loading...